Produzido em parceria com CNGL

MT Post-editing Guidelines


ON SLIDE SHAREON ScribdDOWNLOAD IN PDF
ENGLISH | BAHASA INDONESIA | DANISHGERMAN | ESPAÑOL | FRANÇAIS | ITALIANO | 日本語 | 한국말 | MALAY | NORWEGIAN | SWEDISHภาษา ไทย | Tiếng Việt

Tradução de Osmar Nonato Nascimento de Lima

TAUS GuidelinesObjetivos e seu âmbito de aplicação

Estas diretrizes destinam-se a ajudar os clientes e prestadores de serviços para a definição de expectativas claras. Também podendo ser usadas como base para instruir o pessoal de pós-edição

É possível que as normas de pós-edição de cada empresa variam de acordo com os diversos parâmetros. Não é prático apresentar um conjunto de diretrizes que cubra todos os cenários. Esperamos que as organizações utilizem essas diretrizes básicas e façam as devidas adaptações conforme a necessidade para atingirem seus próprios objetivos. No geral, para executar essas diretrizes, exige-se um tradutor bilíngue (não monolíngue) no processo de pós-edição, e que, se possível, que o tradutor ao realizar esta tarefa não seja remunerado. Mas, em alguns casos, pode ser realizado por especialistas no assunto ou voluntários bilíngues. Essas diretrizes não são específicas do sistema ou de um idioma.

 

Recomendações

Para reduzir o nível de pós-edição (independentemente do par de idiomas; orientação do tipo de sistema ou domínio), recomendamos que:

  • Configure o sistema corretamente, ou seja, deve-se certificar de que você disponha de dicionários de alto nível e codificação linguística com base em normas RBMT, ou treinamento com refinamento: dados claros, específicos para o campo e de alta qualidade no caso de sistemas híbridos ou baseados em dados .
  • Certifique-se de que o texto de origem está bem redigido (grafia correta, ou seja, sem erros de ortografia) e, se possível, que esteja adaptado para tradução automática (isto é, usando as regras de redação específicas que se adequem ao sistema de tradução por máquina em questão).
  • Faça a integração da gestão de terminologia nos sistemas de edição de textos, tradução automática e memória de tradução.
  • Treine o pessoal de pós-edição antecipadamente.
  • Avalie a qualidade do resultado "bruto" da tradução automática antes de negociar o rendimento e os preços para definir expectativas razoáveis.
  • Chegue a um acordo na definição da qualidade final da informação que se deve pós-editar, com base no tipo de usuário e nos níveis de aceitação.
  • Pague a pós-editores para fornecerem comentários estruturados sobre erros comuns de tradução automática (e, se necessário, orientá-los sobre como fazer isso) para que o sistema possa ser melhorado ao longo do tempo.

Orientações para a pós-edição

Supondo-se que as recomendações acima são implementadas, apresentamos como sugestão, algumas orientações básicas para pós-edição. O esforço de pós-edição será determinado por dois critérios principais:

  1. A qualidade do resultado "bruto" da tradução automática.
  2. A qualidade final esperada do conteúdo.

Para conseguir uma qualidade similar à "tradução e revisão humana de alta qualidade" (também conhecida como "qualidade de publicação"), recomenda-se, em geral, uma pós-edição completa. Se você quiser qualidade inferior, muitas vezes descrita como "suficientemente boa" ou "adequada à finalidade", recomenda-se geralmente uma rápida pós-edição. No entanto, é possível que a pós-edição rápida do resultado da tradução automática realmente seja deficiente ― não fornecendo um texto que atenda aos padrões de qualidade para publicação. Mas, se o resultado da tradução automática "bruta" é de boa qualidade, provavelmente só se exige uma rápida pós-edição e não uma completa para obter a qualidade para sua publicação. Assim, em vez de fazer a diferenciação entre as diretrizes de pós-edição rápida e pós-edição completa, diferenciados entre os dois níveis de qualidade esperados. Você pode definir outros níveis, mas, neste momento vamos nos ater somente a dois para simplificarmos. O diagrama a seguir, tenta ilustrar o que se quer dizer por diversos níveis de pós-edição para atender a diferentes níveis de qualidade e como este pode ser alterado segundo a qualidade do resultado "bruto" da tradução por máquina. O conjunto de diretrizes aqui propostas se define como um grupo de diretrizes a partir do qual os padrões individuais podem ser selecionados, dependendo das necessidades do cliente e da qualidade da tradução por máquina "bruta".

Orientações para alcançar uma qualidade "suficientemente boa"

A qualidade de "suficientemente boa" é definida como compreensível (isto é, pode-se compreender o conteúdo da mensagem principal), precisa (ou seja, comunicar o mesmo significado que o texto de origem), mas não é bom estilisticamente. O texto pode parecer gerado por um computador, pode soar algo estranho na sintaxe ― a gramática não pode ser perfeita, mas a mensagem é precisa.

  • Tente obter uma tradução correta do ponto de vista semântico.
  • Certifique-se de que não foi adicionada ou omitida qualquer informação acidentalmente.
  • Modifique todo o conteúdo ofensivo, inadequado ou culturalmente inaceitável.
  • Utilize-se tanto quanto possível do resultado "bruto" da tradução automática.
  • Aplique as regras básicas sobre ortografia.
  • Não há que implementar correções de natureza estilística.
  • Não há que reestruturar orações só para melhorar o fluxo natural do texto.

Orientações para conseguir uma qualidade similar ou igual a de uma tradução humana:

Este nível de qualidade é geralmente definido como compreensível (ou seja, o usuário final compreende perfeitamente o conteúdo da mensagem), preciso (isto é, transmite o mesmo significado que o texto de origem), estilisticamente correto, apesar de não ser tão bom quanto o alcançado por um tradutor que é falante nativo. A sintaxe é normal, a gramática e pontuação estão corretas.

  • Tente obter uma tradução correta do ponto de vista da gramática, sintaxe e semântica.
  • Utilize-se tanto quanto possível do resultado "bruto" da tradução automática.
  • Certifique-se de que a terminologia chave está corretamente traduzida e os termos não traduzidos são os que aparecem na lista de "Termos que não devem ser traduzidos", fornecida pelo cliente.
  • Certifique-se de que não foi adicionada ou omitida nenhuma informação acidentalmente.
  • Modifique todo o conteúdo ofensivo, inadequado ou culturalmente inaceitável.
  • Certifique-se de que o formato está correto.
  • Aplique-se as regras básicas em relação à ortografia, pontuação e hífensm.

Nós queremos expressar nossa gratidão às pessoas que nos ajudaram a desenvolver essas orientações. Tivemos muita sorte por contar com a assistência de membros da TAUS, instituições governamentais e associações de tradutores. Aqui você poderá encontrar mais informações sobre a equipe que participou do projeto e o processo de elaboração dessas diretrizes.

Assim, também, queremos expressar nossos agradecimentos especiais a Sharon O'Brien, da Dublin City University e CNGL, a Fred Hollowood, do gabinete de assessores da TAUS e a Symantec, por sua dedicação e colaboração na produção dessas diretrizes.

Best Practices Search